SAÚDE

Prefeitura de Juazeiro não tem responsabilidade por demissões no Hospital Promatre

A Prefeitura de Juazeiro entende ser incoerente a tentativa de responsabilizar o governo municipal por eventuais demissões no quadro de funcionários da Promatre, visto que o hospital não faz parte da Rede Municipal de Saúde e apenas presta serviço contratual ao município (alta e média complexidade e urgência e emergência), que permanecerão mantidos.

Salientamos que o retorno do serviço da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) para o seu local de origem foi previamente comunicado à direção da Promatre em reuniões realizadas com a Prefeitura, bem como por ofício, sendo certo que em  nenhum momento foi tratado da interrupção de nenhum outro serviço. Estávamos pagando dois contratos de urgência/emergência, um no valor de R$ 260.000 e outro de R$ 304.000, este último referente à transferência temporária da UPA, que encontrava-se subutilizada, com a folha de pagamento alta, provocando sobrecarga à administração pública.

Além disso, com o funcionamento reorganizado da UPA e Hospital de Campanha, poderemos prestar uma melhor oferta e assistência à população juazeirense, que agora, poderá contar como “porta de entrada” para a Emergência com dois serviços, sendo eles UPA e Promatre (já que representam dois contratos de emergência), e um Hospital de Campanha para atendimentos exclusivos de Síndromes Gripais/Covid-19. Por tais razões, mostram-se descabidas as alegações da Comissão Representativa do Hospital Promatre de Juazeiro.

Assessoria de Imprensa da Secretaria da Secretaria de Saúde de Juazeiro

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Favor desabilitar para acessar a publicidade institucional do site.