Mesmo durante pandemia, pais precisam ficar atentos ao calendário de vacinas das crianças

A pandemia do novo coronavírus criou um temor em muitos pais de bebês e crianças pequenas. É que o receio de levar o filho às Unidades Básicas de Saúde (UBS) para tomar as vacinas de rotina, a exemplo da BCG, Hepatite, Pentavalente e Rotavírus, pode deixar a caderneta de vacinação dos pequenos desatualizada. Em Juazeiro, todas as UBSs dispõem das vacinas de rotina.

Não deixar de levar os filhos para tomar as vacinas é muito importante, principalmente neste período de pandemia, para que as crianças não fiquem vulneráveis às doenças. “Para essas crianças não correrem o risco de desenvolver doenças, os cartões de vacinas precisam ser atualizados de acordo com os aprazamentos feitos dessas vacinas”, explicou a diretora de Atenção Primária à Saúde da Secretaria de Saúde de Juazeiro (Sesau), Marcela Moura.

A diretora de Atenção Primária à Saúde da Sesau destaca ainda que cada unidade de saúde fez uma organização interna nas salas de vacina para evitar aglomeração entre públicos que vão receber as doses de rotina, principalmente crianças, com quem vai tomar a vacina para Covid-19. “Cada unidade fez uma organização interna para não misturar os públicos. A gente pede que a população busque a unidade mais próxima, porque cada uma elaborou sua estratégia em relação aos horários”, disse Marcela. O município possui 64 equipes de saúde nas zonas urbana e rural.

Documentos necessários

Quando for levar as crianças para tomarem as vacinas de rotina, é importante levar consigo um documento de identificação da criança, a exemplo da Certidão de Nascimento, o cartão de vacina e o Cartão SUS ou CPF.

Curso de aperfeiçoamento em imunização

Para ampliar o número de técnicas aplicadoras das vacinas, está sendo oferecido um curso de aperfeiçoamento em imunização a enfermeiros, técnicos em enfermagem e estudantes que estão em estágio. O curso está sendo realizado durante esta semana, de 19 a 21 de maio, em alusão à Semana da Enfermagem. O objetivo é qualificar os profissionais que estão dentro das salas de vacina. “Antes tínhamos a questão da BCG, que nem todas as técnicas em enfermagem, tinham a habilidade de fazer essa vacina. Porém estamos instituindo este curso de aperfeiçoamento em imunização e convocando os profissionais que não têm a destreza com a BCG para fazerem esta atualização”, destacou Marcela.

Texto: Amanda Franco – Ascom/SESAU/PMJ

Compartilhe essa publicação